C
entro
E
spírita
M
iguel
   
Rua Glaziou, 265 - Abolição - RJ
Tel.: (21) 2596-4046

"NASCER, MORRER, RENASCER AINDA E PROGREDIR CONTINUAMENTE, ESTA É A LEI"
“Em todas as situações aflitivas, use a prece como sendo o nosso melhor tranquilizante.”




A livraria do CEM
continua divulgando o livro
espírita doutrinário, romance ou
os importantes livros do Pentateuco.
Temos promoção de livros a R$ 10,00!
Aos associados oferecemos,
para empréstimos, mais de 2.000 volumes
de livros doutrinários.

Venha nos visitar!

Aceitamos Cartões

Não Esqueça o
HEMORIO
o esta sempre precisando de doador

Rua Frei Caneca, 8
Centro Rio de Janeiro
(21) 2332-8611
DOAR É O MAIOR GESTO DE AMOR

NOVOS CURSOS
 
 
OS EFEITOS DO ESPIRITISMO
A diversidade dos seres humanos faz com que cada um, com suas idiossincrasias, aprendam os ensinamentos, as experiências com suas próprias “cores e lentes”, tirando daí lições que somente a eles cabem mensurar.
Allan Kardec, não por acaso um eminente pedagogo, discípulo de Pestalozzi, percebeu a importância de alertar a todos que não se deve exigir de si mesmo, nem do outro, transformações súbitas no comportamento após o contato com as ideias espíritas. Não são as ideias que são fracas, mas a ação que elas exercem em cada indivíduo não é a mesma, nem do mesmo grau naqueles que as professam.
Mas, por menor que seja a influência dos preceitos espíritas, eles sempre provocam alterações para melhor, naquele que teve contato com o conteúdo doutrinário. Seja em um texto lido “ao acaso”, em uma palestra eventualmente assistida ou em um livro apressadamente folheado, os princípios espíritas tomam grande importância que alteram não só o pensar, mas o sentir e o agir de cada um.
E aqueles que se aprofundam no seu estudo metódico e sistematizado, encontram no Espiritismo informações mais amplas, que provocam efeitos mais intensos e duradouros, conforme analisa o Codificador:
1º efeito – Desenvolvimento do sentimento religioso – A palavra religioso ganha uma conotação muito mais profunda, torna-se mais do que se ter um rótulo de alguma religião ou seguir alguns rituais exteriores; significa ter a mais plena confiança em Deus, na Sua justiça e a incansável busca de um processo crescente de espiritualização, favorecendo assim o abandono do conceito materialista de vida e seus reflexos negativos. Desse modo, o medo da morte vai sendo gradualmente substituído pelo entendimento de que ela é apenas mais uma passagem do Espírito imortal de uma dimensão para outra.
2º efeito – Resignação nas vicissitudes da vida – O Espiritismo proporciona enxergarmos as coisas de outro ponto de vista: da visão espiritual. A certeza da imortalidade, da reencarnação, da lei de causa e efeito e da evolução progressiva oferece a compreensão dos porquês da vida, proporcionando uma resignificação das dores e sofrimentos, como também do que realmente representa a verdadeira alegria para o ser humano. A certeza do futuro, cuja felicidade depende de cada um, possibilita a atuação consciente e segura para o proficiente espírita.
3º efeito – Estímulo à indulgência – Compreender os erros alheios. Entender as imperfeições dos outros só é possível àquele que consegue gradualmente despir-se do orgulho e do egoísmo. Enxergar-se também como um ser imperfeito que necessita da indulgência alheia favorece a conquista desta virtude tão importante: a humildade. Com a indulgência vem a caridade e o exercício do desapego. Como afirma Kardec: a abnegação da personalidade é o sinal mais eminente de progresso.
São três efeitos fundamentais na evolução do indivíduo. Assim, os benefícios que a Doutrina Espírita provoca em cada um são diferentes em graduação e profundidade, mas são sempre na direção do bem e na conquista das virtudes.
Luis Roberto Scholl
 

PAIS MAUS
"Um dia, quando os meus filhos forem crescidos o suficiente para entender a lógica que motiva pais e mães, eu hei de dizer-lhes:
- Eu os amei o suficiente para ter-lhes perguntado aonde vão, com quem vão, e a que horas regressarão.
- Eu os amei o suficiente para não ter ficado em silêncio, e fazer com que vocês soubessem que aquele novo amigo não era boa companhia.
- Eu os amei o suficiente para fazê-los pagar os doces que tiraram do supermercado, ou revistas, do jornaleiro, e fazê-los dizer ao dono: "Nós tiramos isto ontem, e queríamos pagar".
- Eu os amei o suficiente para ter ficado em pé, junto de vocês, duas horas, enquanto limpavam o quarto, tarefa que eu teria feito em 15 minutos.
- Eu os amei o suficiente para deixá-los ver, além do amor que eu sentia por vocês, o meu desapontamento e também as lágrimas nos meus olhos.
- Eu os amei o suficiente para deixá-los assumir a responsabilidade das suas ações, mesmo quando as penalidades eram tão duras que me partiam o coração.
- Mais do que tudo, eu os amei o suficiente para lhes dizer NÃO, quando eu sabia que vocês poderiam me odiar por isso (e em alguns momentos até me odiaram).
Essas eram as mais difíceis batalhas de todas.
Estou contente, venci... Porque, no final, vocês venceram também! E qualquer dia, quando os meus netos forem crescidos o suficiente para entender a lógica que motiva pais e mães; quando eles perguntarem se os seus pais eram maus, os meus filhos vão lhes dizer:
"Sim, os nossos pais eram maus.
Eram os piores do mundo. As outras crianças comiam doces no café e nós só tínhamos que comer cereais, ovos, torradas. As outras crianças bebiam refrigerantes, comiam batatas fritas e sorvetes no almoço, e nós tínhamos que comer arroz, feijão, carne, legumes e frutas.
Nossos pais tinham que saber quem eram os nossos amigos e o que nós fazíamos com eles.
Insistiam em que lhes disséssemos com quem íamos sair, mesmo que demorássemos apenas uma hora ou menos. Nossos pais insistiam sempre conosco para que lhes disséssemos sempre a verdade, e apenas a verdade.
E, quando éramos adolescentes, eles conseguiam até ler os nossos pensamentos. A nossa vida era mesmo chata!
Nossos pais não deixavam os nossos amigos tocarem a buzina para que saíssemos; tinham que subir, bater à porta, para que os nossos pais os conhecessem.
Enquanto todos podiam voltar tarde da noite, com 12 anos, tivemos que esperar pelo menos até os 16 para chegar um pouco mais tarde; e aqueles chatos levantavam para saber se a festa foi boa (só para verem como estávamos ao voltar).
Por causa dos nossos pais, nós perdemos imensas experiências na adolescência: nenhum de nós esteve envolvido com drogas, roubo, atos de vandalismo, violação de propriedade, nem fomos presos por crime algum.
FOI TUDO POR CAUSA DOS NOSSOS PAIS!
Agora, que já somos adultos, honestos e educados, estamos fazendo o melhor para sermos “PAIS MAUS”, como eles foram".
EU ACHO QUE ESTE É UM DOS MALES DO MUNDO DE HOJE:
NÃO HÁ PAIS MAUS O SUFICIENTE!
Dr. Carlos Hecktheuer – Médico psiquiatra
“Espalhe esse segredo. A felicidade depende de nós.”

NA CASA ESPÍRITA:
“A Casa Espírita exige um comportamento adequado às finalidades dela.
Vigiemos atitudes, trajes, gestos, palavras e pensamentos.
Não requer atitude de santidade ou virtude hipócrita; é apenas manter a Casa Espírita em sua condição de templo onde aprendemos valores espirituais e sociais para serem vivenciados, dentro e fora dele.”
(Jornal do Lar de Tereza)

 
PROSSEGUE LUTANDO
Levanta o Espírito combalido e prossegue lutando: a terra sofrida pelo arado mais produz; a fonte visitada pelo balde mais dessedenta; a árvore abençoada pela poda mais frutifica; o coração mais visitado pela dor mais se aprimora.
Não te canses de lutar!
A reencarnação é oportunidade abençoada que os Céus concedem para refazimento moral, ajuste de contas e quitação de dívidas.
Não te aflijas ante a imperiosa necessidade de resgatar.
Bendize as horas de dor, que passam como passam os momentos de prazer, avançando, na tua luta, caindo para levantar, chorando por amor ao ideal e sofrendo por servir. Para onde sigas, defrontarás a luta em nome do trabalho sulcando o solo da humanidade.
A luta é clima em que são forjados os verdadeiros heróis, e o sofrimento é a célula sublime que dá origem aos servidores verdadeiros.
Há mães que no sofrimento se converteram em anjos estelares; há coraçõess que no sofrimento se transformaram em urnas sublimes de amor; há criaturas que no sofrimento se renovaram, fazendo de si mesmas sentinelas vigilantes, em defesa dos infelizes.
Prossegue lutando!
Esquece o próprio cansaço e escreve páginas de consolação; cessa de chorar e enxuga outras lágrimas com o lenço da tua compreensão; asserena tua inquietude e repete os caminhos sobre a imortalidade, de que tua alma está impregnada pelos ventos suaves do mundo espiritual, junto aos que nada conhecem do além-túmulo...
Há ventos brandos cantantes que trazem carícias de prece e te falam aos ouvidos, quando te aquietas para orar.
Não percas a oportunidade de sofrer nem te desalentes porque a dor te visita.
Quando menos esperares, um anjo incompreendido chegará de mansinho às portas do teu corpo e, selando teus lábios com o sinete da desencarnação, tomará tua alma de improviso.
Abençoarás, então, ter prosseguido lutando.
Se considerares que as provações que te visitam agora são aparentemente maiores do que tuas forças, recorda Jesus, o Anjo Crucificado, que no Gólgota, ainda pôde, sofrendo, prosseguir lutando, quando, atendendo à súplica do larápio infeliz, esperançou-o com o desejo de entrar no paraíso. E guarda a certeza de que, prosseguindo lutando, já estás no paraíso desde hoje.
Do livo: Messe de Amor - Joanna de Ângelis / Divaldo Franco

“Quando problemas apareçam, não se deixe arrastar na angústia; trabalhe e deixe Deus decidir.”

Você quer ajudar o CEM?
Venha trabalhar voluntariamente conosco.
Procure o Coordenador do Departamento Promocional ou o Dirigente da sessão pública que você frequenta
ou o Monitor do curso que você faz e,
ofereça-se para servir em uma atividade do CEM.

A fé sem obras é morta!!

©2003 Direitos Reservados CEM
Brasil, coração do mundo, pátria do Evangelho
 
Sintonize e ouça as palestras realizadas no CEM